Autistas têm mais chances de desenvolverem ansiedade, diz pesquisa

Por Mariana Castro em 06/07/2016

Pessoas com autismo têm cinco vezes mais chances de desenvolverem transtornos de ansiedade. A descoberta é de um estudo comandado pelas universidades New Castle University, Brigham Young University e City University.

+ Casais que engordam juntos são mais felizes, diz pesquisa

+ Pesquisadores podem ter descoberto o que realmente faz as pessoas felizes

Estudos anteriores já haviam relevado os principais fatores que contribuem para o desenvolvimento da patologia, como a dificuldade de lidar com incertezas, problemas em aceitar experiências emocionais e a alexitimia, que é a incapacidade de reconhecer emoções nos outros e de expressar sentimentos.

No entanto, o estudo recente foi o primeiro dedicado a entender como a alexitimia pode influenciar no desenvolvimento de ansiedade em pessoas autistas.

Muitas pessoas caracterizam os autistas como frios, antissociais e desinteressados. Mas a pesquisa descobriu que, na verdade, eles sentem tanto quanto qualquer outra pessoa e é a alexitimia que os impede de serem empáticos, uma vez que são incapazes de entender as emoções de terceiros e as suas próprias.

Como o estudo foi realizado?

Para entender como esse traço pode influenciar no desenvolvimento da ansiedade em pessoas autistas, foram recrutados 151 adultos – sendo 76 delesdiagnosticados com o autismo. Os voluntários foram submetidos a questionários que mediam a presença de sintomas autistas como a ansiedade, a aceitação emocional, a intolerância para incertezas e a alexitimia.

Como esperado, o resultado mostrou que pessoas com autismo apresentam níveis mais altos de ansiedade, pois não sabem reagir às suas experiências emocionais.

Os pesquisadores sugerem que atividades que exercitem a atenção podem ser revolucionárias no tratamento do transtorno.

“Ao invés de se preocupar com o passado e o futuro, terapias que trabalhem a concentração são altamente indicadas. Elas ajudam o indivíduo a ter consciência de cada momento que ele vive, além de identificar, entender e aceitar emoções e sensações”, disse Sebastian Gaigg, um dos autores do estudo.

Foto: Pixabay