Saúde e Bem-Estar

Assistir filmes tristes aumenta a tolerância à dor e sentimento de união

Assistir filmes tristes aumenta a tolerância à dor e sentimento de união

As lágrimas derramadas durante um filme dramático podem fazer muito bem para o ser humano. Uma nova pesquisa constatou que assistir filmes tristes pode aumentar o sentimento de união a grupos e a tolerância à dor. Isso acontece porque esse tipo de produção cinematográfica consegue aumentar os níveis de endorfina no corpo, substância que provoca a sensação de bem-estar.

+ Assistir televisão em excesso pode levar à morte, alerta estudo

+ Brasileiros preferem investir em viagens do que em bens materiais

Os pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, queriam entender o que motivava as pessoas a assistirem um filme triste e dramático em seus momentos de lazer enquanto poderiam optar por produções mais leves como a comédia.

Durante a fase de pesquisa de campo, 169 voluntários foram divididos em dois grupos. O primeiro assistiu a um filme triste enquanto o segundo grupo assistiu a um documentário. Depois, eles precisaram passar por um teste de resistência em que ficavam com os joelhos flexionados e com as costas encostadas na parede para avaliar o quanto eles toleravam à dor. Além disso, eles responderam questionários antes e depois da sessão de cinema para avaliar o estado emocional dos participantes.

Os resultados mostraram que as pessoas que viram um filme triste aguentaram o exercício físico 13% de tempo a mais do que o grupo que assistiu ao documentário. Além disso, os dados revelaram que apesar das emoções negativas proporcionadas pelos filmes dramáticos, as pessoas tinham um sentimento maior de união com o grupo ao qual se inseriam.

Para os cientistas, isso acontece porque os filmes dramáticos, assim como as comédias, conseguem aumentar os níveis de endorfina no corpo, fazendo com que o organismo experimente sensações de bem-estar mesmo que elas tenham sido motivadas por algo triste.

Foto: Reprodução

Mais em Saúde e Bem-Estar

Marijuana bud

Anvisa autoriza uso de medicamento à base de maconha para tratamento de Alzheimer

Patricia Machado17/02/2017
Doctor's and patient's hand

Câncer é a principal causa de morte por doença entre pessoas de 15 e 29 anos, diz estudo

Patricia Machado15/02/2017
idoso cartao de natal - imagem 3 - reproducao

Idoso com demência recebe cartões no dia dos namorados de pessoas desconhecidas

Mariana Castro14/02/2017
Noisy Nursery Lesson

Ruído nas escolas pode acarretar danos à audição de alunos e professores

Redação Apontador14/02/2017
Measuring fatty abdominal

Dormir menos de 7 horas por dia engorda, garante estudo

Patricia Machado13/02/2017
Alcohol cleaning gel

Anvisa suspende lote de gel antisséptico

Mariana Castro13/02/2017
girl in the forest uses the spray against mosquitoes

Oito produtos que podem perder o efeito ou fazer mal à saúde após o prazo de validade

Redação Apontador13/02/2017
Father and son future

Poupatempo ajuda no reconhecimento de parternidade

Mariana Castro13/02/2017
Audience with hands in the air at a music festival

Pesquisa descobre que música, sexo e drogas ativam as mesmas substâncias no cérebro

Mariana Castro10/02/2017
cadeira de rodas - divulgacao

Tecnologia permite que cadeiras de rodas sejam guiadas por expressões faciais

Patricia Machado10/02/2017
Beautiful pregnant business woman

Carregar peso e trabalhar à noite pode influenciar a fertilidade, diz pesquisa

Mariana Castro10/02/2017
Smiling woman in a shower

Cinco objetos extremamente sujos que tocamos diariamente

Patricia Machado09/02/2017
cooked rice

O modo como você cozinha o arroz pode ser perigoso para a saúde, revela pesquisa

Mariana Castro09/02/2017
Red and white pills coming out of bottle on Caucasian hand

Ibuprofeno não é tão eficaz para dores e pode gerar efeitos colaterais, diz estudo

Mariana Castro08/02/2017
Zika virus aedes aegypti Dengue chikungunya Mayaro fever human skin

Dengue e chikungunya: conheça as diferenças entre as doenças

Patricia Machado08/02/2017