A alimentação pode influenciar na sua longevidade?

Por Patricia Machado em 17/03/2016

Se você quer viver mais, aqui vai uma dica: comece a repensar a sua alimentação. As comidas ingeridas desde a infância até a velhice são responsáveis por influenciar o tempo de vida dos indivíduos.

+ Atitudes simples para ser mais saudável em 2016

+ Dispositivo identifica as calorias e nutrientes dos alimentos

“A alimentação é um dos pilares da longevidade. Ela permite que as pessoas cheguem à velhice com saúde e qualidade de vida, além de garantir o bom desenvolvimento e manutenção do organismo e corpo humano”, explica Wilson Jacob Filho, professor de geriatria da Faculdade de Medicina da USP e diretor do Serviço de Geriatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Os hábitos de uma alimentação saudável devem ser colocados em prática desde a vida intrauterina, uma vez que os costumes alimentares da grávida influenciam diretamente no desenvolvimento do bebê. “Cada fase da vida precisa de determinados nutrientes e alimentos. Por isso, o tipo comida saudável varia para cada faixa etária”, diz o geriatra.

fruits

A alimentação saudável é responsável por aumentar em aproximadamente 20% a expectativa de vida do ser humano. Dois fatores são capazes de determinar a qualidade alimentar: diversidade de alimentos e o número de refeições.

“Quem quer praticar a alimentação saudável deve fazer pratos coloridos. Isso garante que em cada refeição haja carboidrato, proteína, fibras vegetais, vitaminas e sais mineiras. Também é importante fazer seis refeições por dia, sendo que elas não podem ser volumosas”, afirma Wilson.

Consequências de uma má alimentação

De acordo com o geriatra, o principal erro cometido na hora de buscar uma alimentação saudável é acreditar nas dietas da moda. “As pessoas acreditam que há um milagre e que a restrição alimentar irá ajudá-la a alcançar os seus objetivos. Hoje, você pode comer só proteína, mas, no futuro, o seu corpo sentirá falta dos demais nutrientes e isso terá um preço”, diz Wilson.

As principais consequências de uma má alimentação são a falta e excesso de alguns nutrientes. A falta de nutrientes pode causar desnutrição, problemas no sangue e falta de fibras, vitaminas e sais minerais. Já o excesso de peso leva a uma sobrecarga nas articulações e prejuízos no sistema motor. Além disso, a má alimentação altera a pele do corpo, que deixa de ter uma aparência saudável.

“Sempre dá tempo de criar hábitos alimentares saudáveis, mas isso deve ser feito aos poucos para que organismo possa se adaptar à mudança. Não adianta perder 10kg em poucos meses, por exemplo, porque você poderá ter, entre outras coisas, dores nas costas, já que a falta de peso exige uma nova postura”, orienta o geriatra.