Meditação é capaz de rejuvenescer o cérebro, conclui pesquisa

Por Patricia Machado em 25/04/2016

A meditação ganha fama e novos adeptos no mundo moderno. A prática proporciona diversos benefícios para o corpo, uma vez que, durante a sessão, há uma diminuição dos batimentos cardíacos e da frequência respiratória. Além disso, diversas celebridades como Demi Moore, Gisele Bündchen e Alessandra Ambrósio fazem uso da técnica para encontrar o equilíbrio interior.

+ Professor de meditação dá 4 dicas para se acalmar em apenas 30 segundos

+ A meditação pode transformar o seu cérebro e te tornar muito mais produtivo

Um estudo realizado recentemente pelo Jena University Hospital, localizado na Alemanha, conseguiu comprovar que a meditação também traz importantes benefícios para o cérebro. De acordo com a pesquisa, pessoas que meditam conseguem retardar o envelhecimento do cérebro em 7 anos e meio.

Para chegar a essa conclusão, um time de cientistas liderados por Christian Gaser analisaram, através de uma máquina de tomografia, o cérebro de 50 pessoas que mantinham uma rotina de meditação e de outras 50 que não praticavam tal atividade.

O resultado mostrou que o cérebro das pessoas que não meditavam tinha a mesma idade biológica do seu corpo. Se o voluntário tivesse 55 anos, o seu cérebro apresentava a mesma idade.

No entanto, o resultado foi diferente para o cérebro das pessoas que meditavam. Apesar do envelhecimento físico, o cérebro dessas pessoas rejuvenescia cerca de 7 anos e meio. Ou seja, para uma pessoa de 50 anos, as células do seu cérebro tinham entre 42 e 43 anos.

“Os resultados mostram que a meditação é capaz de preservar o cérebro humano, diminuindo a velocidade de seu envelhecimento”, disse o pesquisador Christian ao jornal Daily Mail.

Foto: Thinkstock