LinkedIn divulga lista das empresas mais procuradas para trabalhar no Brasil

Por Redação Apontador em 20/06/2016

O LinkedIn, maior rede social de negócios do mundo, com mais de 433 milhões de usuários, divulgou nesta semana a lista das empresas mais procuradas para trabalhar no Brasil.

+ Dicas para se sair bem em uma entrevista de emprego

+ Sites e apps que te ajudam a ganhar uma grana extra

Confira abaixo as top 10:

1. Latam

A companhia aérea LATAM nasceu com a fusão da brasileira TAM com a chilena LAN. A nova empresa conta com a empolgação e comprometimento dos 54 mil funcionários no complicado processo de combinação de procedimentos e serviços das marcas anteriores e construção de uma nova cultura de trabalho.

2. GPA (Grupo Pão de Açúcar)

GPA Divulga

O GPA é o maior empregador do Brasil em seu setor de atuação, com 140 mil funcionários. A preocupação com os funcionários é o forte atrativo para candidatos que procuram a empresa. Ano passado, 1,9 milhão de horas de treinamento foram disponibilizadas aos colaboradores. GPA tenta atualmente levar mais mães executivas ao topo. Ainda é muito pequeno o número das que são gerentes ou diretoras: 21%. A meta é aumentar este número em 30% nos próximos anos.

3. BRF Brasil

brf - divulga

Uma das maiores companhias de alimentos do planeta, a empresa conta com 105 mil funcionários em 35 fábricas no Brasil e 13 no exterior. O sucesso não está só nos números, mas nas pessoas – a BRF acredita que a capacidade de fazer os seus funcionários confiarem no futuro da empresa é justamente o motor para gerenciar essa monstruosa estrutura global. De acordo com uma pesquisa interna, 90% dos empregados sentem-se motivados a ir além de suas responsabilidades naturais.

4. Ambev

ambev

A mensagem na Ambev é simples: os funcionários crescem de acordo com o talento e esforço. A veia meritocrática está visível até no alto escalão: além do presidente, seis dos 11 vice-presidentes ingressaram na empresa pelo programa de trainee. É como se a Ambev usasse esses casos para lembrar diariamente aos seus 52 mil funcionários que todos podem um dia chegar ao mesmo patamar que o empresário e investidor Jorge Paulo Lemann – o homem mais rico do Brasil, segundo a revista Forbes.

5. Brasil Kirin

brasil kirin

Após ter sido adquirida em 2012 pelo grupo japonês Kirin por R$ 3,95 bilhões, a antiga Schincariol adotou uma metodologia importada diretamente da sede em Tóquio para otimizar processos e aumentar a eficiência de suas 13 fábricas e 20 centros de distribuição. Para ter ideia, cerca de 30 mil produtos saíam das linhas de produção com algum tipo de defeito por ano, algo que foi sanado após a companhia encontrar oportunidades de melhoria na operação.

Mais importante ainda, a Brasil Kirin inaugurou um sistema que reúne informações dos 11 mil colaboradores, contendo dados sobre desempenho e planos de desenvolvimento. A ideia é apoiá-los no seu crescimento, gerando uma vontade de pertencimento. Tem dado certo, diga-se. Sabe quem resolveu o problema daqueles 30 mil produtos com defeito? Eles mesmos – os próprios funcionários.

6. TOTVS

totvs

Para a TOTVS, nada é mais importante do que a inovação, pura e simples – seja com a economia firme ou em épocas de crise, 14% da receita líquida é investido em inovação. Hoje líder absoluta no mercado de pequenas e médias empresas na América Latina, a TOTVS está presente em 41 países e, no Brasil, conta com 15 filiais, 52 franquias, 5 mil canais de distribuição e 10 centros de desenvolvimento.

7. Whirlpool Latin America

whirlpool_logo

Com as marcas Brastemp, Consul e KitchenAid, a Whirlpool Latin America é líder do mercado de eletrodomésticos e possui 3 fábricas, 4 centros de tecnologia e 23 laboratórios, além de 20 mil colaboradores imbuídos da missão de, cada vez mais, não só atender, mas antecipar as necessidades dos consumidores. Estar um passo à frente é o segredo.

8. Kroton

kroton

Na Educação Básica, a Kroton fornece sistemas de ensino a 290 mil alunos de 876 escolas. Já no Ensino Superior, são mais de um milhão de alunos. Isso sem falar na capacitação dos próprios funcionários – em 2015, a empresa promoveu formação para 27 mil colaboradores. Mas como lembrou o presidente Rodrigo Galindo, todos esses dígitos ainda são apenas a pontinha de um (complicado) iceberg. “De cada 100 estudantes do ensino fundamental, 90 o concluem; 75 iniciam o ensino médio e apenas 57 o terminam; 14 começam um curso de graduação e somente 7 conquistam o diploma. Muita gente fica pelo caminho”, escreveu ele em artigo no LinkedIn. A Kroton espera usar a tecnologia para tentar mudar esse cenário, combinando inovação com metodologias clássicas, garantindo eficiência e mudando o cenário do sucesso escolar brasileiro.

9. JBS

jbs

Mesmo sendo a maior processadora de carne do mundo e a maior produtora de carne de frango, a JBS tem como grande objetivo consolidar-se como uma líder global de alimentos. Para isso, a aposta é no dinamismo do ambiente de trabalho para os mais de 238 mil colaboradores. É o modelo de gestão que Wesley Batista, CEO global, batizou no passado de Frog (“From Goiás”): um jeito de dizer que a cultura da casa tem como base a simplicidade. Nas mais de 300 unidades de produção, todos são instruídos a não ter vergonha de seus erros, mas sim reconhecê-los para melhorar constantemente. A conexão com esse conjunto de valores é requisito básico para profissionais e candidatos a vagas.

10. Bunge

bunge

Presente no país desde 1905, a gigante do agronegócio necessita de permanente reinvenção para manter o seu crescimento sustentável. Isso vale tanto para os negócios (a empresa assumiu no ano passado o compromisso de eliminar o desmatamento de sua cadeia de fornecedores) como para a contratação de novos funcionários.

A Bunge procura candidatos que se sintam confortáveis em um ambiente altamente dinâmico, que muda constantemente, mas que não perde o foco na produtividade e nos resultados. O objetivo é colocar na mente de todos os 17 mil colaboradores que é possível aumentar a produtividade sem precisar necessariamente de novas terras para plantio.

Fonte: LinkedIn