Cientistas descobrem que o vício pode ser genético

Por Pedro Katchborian em 06/05/2016

Um estudo das Universidades de Michigan e Alabama, publicado no Proceedings of the National Academy of Scients, achou algumas diferenças genéticas em ratos que são suscetíveis ao vício.

+ Tudo o que você achou que sabia sobre o vício está errado 

Shelly B. Flagel, autora da pesquisa, disse que o vício pode ser relacionado a dois genes básicos: o fator de crescimento de fibroblastos e o receptor D2 de dopamina.

Vale lembrar que humanos e ratos são muito parecidos geneticamente. Portanto, embora a descoberta tenha sido com ratos, é bem provável que isso também possa ocorrer em humanos. Quando os cientistas tiverem certeza desses “genes do vício” nos animais, será possível identificá-los em pessoas.

Isso significa que o vício poderá ser tratado até antes mesmo de existir. “Esse é o benefício do estudo — que nós pudemos olhar para esses animais idênticos a nós geneticamente e dizer: é assim que o cérebro dele é antes de ser exposto a cocaína e é assim que ele fica após e depois que exibe o comportamento aditivo”, conclui.