Preço dos alimentos deve desacelerar este ano, segundo especialistas

Por Mariana Castro em 26/03/2017

Comprar comida e sair para comer foram atividades que ficaram mais caras nos últimos anos. Mas, segundo especialistas, esses valores devem subir menos este ano. Isso se deve a supersafra, que garantiu maior oferta de alimentos, e ao preço dos serviços, que deve desacelerar em 2017.

+ Cinco restaurantes badalados que abriram casas com preços acessíveis

+ Cinco hamburguerias com preços acessíveis em São Paulo

Segundo as projeções dos economistas, o preço dos alimentos deve subir 4,7%, o menor valor desde 2009. “Ainda não vai compensar as altas anteriores, mas vai desacelerar e se posicionar próximo à inflação, projetada para 4,66%, o que é um ganho importante para o consumidor”, disse o economista da consultoria LCA, Fábio Romão, ao Estadão.

Além do aumento na oferta de alimentos, está previsto para este ano uma maior estabilização da economia. Isso permite que os consumidores voltem a comer fora, como uma atividade de lazer. Como acontece normalmente, os preços da alimentação em restaurantes, portanto, irá variar mais do que comer em casa. A estimativa da LCA é que haja um aumento de 6%, em comparação a 7,2% do ano anterior.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo / Foto: Getty Images