Cuidados na hora de comprar peixes para a Páscoa

Por Mariana Castro em 13/04/2017

Durante o feriado que celebra a Páscoa, é comum que muitas pessoas evitem o consumo de carne e frango, causando um aumento na venda de pescados. Para este ano, a projeção de crescimento é de 17% em relação ao ano passado, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Pescados (Abipesca).

Assim como outros alimentos de origem animal, o pescado pode transmitir zoonoses, que são doenças passadas dos animais para os seres humanos. Em 2016, a Secretaria de Vigilância em Saúde registrou 354 surtos, que são episódios em que duas ou mais pessoas apresentaram sinais clínicos ao ingerir alimentos da mesma origem, de intoxicação alimentar, sendo que pelo menos três dos que tiveram a origem identificada foram ocasionados por pescados, frutos do mar ou processados.

+ Tutoriais de receitas para o almoço de Páscoa

+ Melhores restaurantes para comer peixes e frutos do mar

Por isso, o produto precisa ser submetido a exames sanitários que garantam sua qualidade. Os alimentos seguros são identificados pelo selo do Serviço de Inspeção – uma garantia de que os pescados foram devidamente fiscalizados por médicos veterinários e estão aptos para consumo.

Para ajudar a população na hora de fazer as compras para a ceia, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) reuniu algumas dicas. Confira:

Atenção ao aspecto físico do peixe

  • A pele do peixe não pode estar manchada ou furada e deve estar úmida
  • Os olhos têm que estar brilhantes e salientes
  • As escamas precisam estar firmes e as brânquias vermelhas

Cuidados com o ambiente em que o peixe é vendido

  • Nos mercados, os peixes devem estar acondicionados no balcão frigorífico
  • Nas feiras livres, o pescado deve estar dentro de um balcão inox inclinado e envolvido com gelo picado
  • Pescados embalados precisam ter o selo de inspeção sanitária, data em que foram embalados, prazo de validade e os pedaços não podem estar congelados em blocos
  • Os pescados vendidos frescos devem ter a origem indicada no balcão de acondicionamento, seja nos mercados ou nas feiras livres

Foto: Getty Images