Após Operação Carne Fraca, União Europeia, China e Coreia do Sul suspendem importação de carnes brasileiras

Por Mariana Castro em 20/03/2017

Na sexta-feira, 17, a Polícia Federal revelou o resultado encontrado na Operação Carne Fraca. De acordo com a instituição, diversos frigoríficos, de todos os portes, usavam carne podre em suas operações. Isso inclui carne vencida, em que era utilizado ácido ascórbico para disfarçar o gosto, e carne de cabeça e estragada para fazer salsichas e linguiças, além de frango com papelão.

+ Consumir carne vermelha em excesso pode causar doença intestinal, diz estudo

+ Passo a passo para se tornar vegetariano

O resultado alarmante fez com que a notícia se tornasse o principal assunto do fim de semana nas rodinhas de conversa. A lista de frigoríficos inclui JBS e BRF, duas das cinco maiores exportadoras do Brasil e consideradas as maiores empresas de carne do mundo. O frigorífico gaúcho Peccin também foi acusado e declarações provaram as práticas ilícitas. Em uma delas, por exemplo, o sócio autoriza o uso de presunto podre, sem cheiro, além de encomendar dois mil quilos de carne de cabeça para fazer linguiça.

Nesta segunda-feira, 20, as ações da BRF e da JBS abriram o pregão em queda e os papéis registravam perdas de 10,84% e 9,79%, respectivamente. Além disso, a União Europeia, China e Coreia do Sul anunciaram que irão suspender temporariamente a importação de carne e frango do Brasil.

Como as empresas usavam carne vencida em suas operações?

Segundo a investigação, os frigoríficos pagavam propina para escolher os servidores que realizariam as fiscalizações na empresa. Foram presos empresários e fiscais do Ministério da Agricultura. Para a operação, mais de 1.100 policiais foram mobilizados, em seis estados do país.

Foto: Getty Images