Carros mais tecnológicos têm maior risco de perda total em acidentes, afirma especialista

Por Mariana Castro em 02/08/2017

Com o avanço da tecnologia e o aumento do investimento no setor automotivo, pode-se afirmar que os carros nunca estiveram tão seguros. Os mais novos contêm airbags frontais e freios ABS obrigatórios, além de dispositivos como câmeras de pontos cegos, controles de estabilidade e tração e piloto automático. Tudo isso, entretanto, aumentou a probabilidade de perda total em acidentes.

A lógica é simples: apesar de mais tecnológicos, esses novos equipamentos têm alto custo de reparo, tornando o conserto pouco vantajoso para as seguradoras. Segundo Bob Tschippert, vice-presidente sênior da seguradora norte-americana Risk Theory, uma colisão frontal, hoje em dia, não afeta apenas a lataria, o para-choque e os faróis do carro. “Agora, também é necessário trocar os sensores frontais e airbags”, contou ele ao Automative News.

+ Projeto de lei quer implementar teste de colisão em carros novos

+ Empresa cria proteção digital para evitar acidentes entre carros e motocicletas

Com o preço dos airbags chegando a mais de cinco dígitos, fica cada vez mais comum declarar a perda total do veículo. É claro que as mudanças tecnológicas continuam sendo muito positivas, uma vez que evitam fatalidades e injúrias nos passageiros envolvidos em acidentes. Além disso, quem ganha com a nova dinâmica são os ferros velhos. Isso porque eles recebem os carros praticamente inteiros, mesmo tendo sido declarados como perda total pelas seguradoras.

Foto: Getty Images